Histórico

Em 2012 professores da formação original do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Santo Amaro – UNISA foram convocados a organizarem grupos de pesquisas com participação efetiva da Graduação e vinculá-los ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, inclusive, como de interesse da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Deste processo emergiu o Grupo de Pesquisa Políticas e Identidades Ibero-Americanas – POLIBERA/UNISA/CNPq.

Dois anos depois, em 2014, uma das linhas de pesquisa se desmembra e formaliza o Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento – CISGES/UNISA/CNPq autorizado e certificado pela Instituição. Sua configuração propôs, desde o início, agregar alunos do Programa de Mestrado Interdisciplinar e cursos de Graduação da UNISA em torno de pesquisas para Dissertação de Mestrado, Trabalho de Conclusão de Curso, Iniciação Científica, entre outras modalidades. Em sua curta trajetória o CISGES/UNISA/CNPq conquistou bolsas de Iniciação Científica vinculadas ao Programa de Iniciação Científica – PIC/CNPq e Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica – PIBIC/UNISA. Nesse pouco tempo, dois projetos de pesquisa foram desenvolvidos:

  • Cartas para Esther (2014-2017), voltado para o estudo da escrita epistolar, propiciou a publicação de artigo no volume 17, número 1 da Revista Gênero, do Núcleo Transdisciplinar de Estudos de Gênero – NUTEG, vinculado ao Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social da Universidade Federal Fluminense – UFF, assim intitulado: “História e Sentimento: gênero e masculinidade nas cartas de Martiniano Medina (1908-1919)”, que emerge da orientação do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, do Curso de Licenciatura em História, de José Ribamar Vieira Maramaldo, cuja pesquisa foi realizada entre 2014-2015. Do mesmo modo, proporcionou a primeira bolsa PIC/CNPq do Curso de História da UNISA a Daniele Nunes da Silva (2015-2016) com o projeto de pesquisa “História da Saúde: a tuberculose na cidade de São Paulo em 1910”, além dos TCC’s de Arianne Mambelli “Cidade e Sensibilidade: São Paulo nas cartas de Martiniano Medina (1908-1919)” em 2015 e de Carolina Maia Blois “A Construção da Modernidade Paulistana em 1910: a moda como testemunha” em 2016, ambas Graduadas em História pela UNISA.
  • Negros na Literatura (2018-2019) estudou representações e formas de subjetividade atribuídas à população negra no Brasil, sobretudo, no pós-emancipação. Fundado em obras literárias mapeadas no livro “O Negro na Ficção Brasileira” de Gregory Rabassa (1964) a pesquisa permitiu a formação de um grupo de estudos e reuniu professores dos cursos de Graduação em História, Comunicação e Letras, assim como do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UNISA, além de alunos dos cursos de Graduação em História e Geografia e do Programa de Mestrado Interdisciplinar da UNISA. Reunidos em dez equipes, os graduandos produziram pesquisas originalmente tratadas como Trabalho de Conclusão de Curso – TCC e Iniciação Científica PIBIC/UNISA como ocorreu com o projeto de pesquisa de Raquel Cristina Felício intitulado “O Romance Nordestino: Identidade e resistência negra na obra de José Américo de Almeida ‘A Bagaceira'” (2018-2019), apresentado no Simpósio Nacional da Associação Nacional de Professores Universitários de História – ANPUH, Recife, Pernambuco, em julho de 2019. Textos originais foram publicados no formato artigo na Revista Pluralistas volume 1, número 2, como parte do dossiê “Negros na Literatura: espaços, memória e imaginário” e os textos adensados pelos maiores titulados das equipes e orientadores foram publicados na coletânea Negros na Literatura Brasileira: representações e formas de subjetividade pela Editora Todas as Musas.

Como sinalizado, em 2018 o CISGES/UNISA/CNPq inicia a publicação da Revista Pluralistas, organizada e editada semestralmente por alunos e egressos dos cursos de Graduação da UNISA, mas vinculados ao grupo de pesquisa, inclusive, como educação continuada na medida em que o  mesmo propicia o constante interesse pelas normas e regras que sustentam a produção do texto científico. Os efeitos dessas conquistas favoreceram ao ingresso de bolsistas e pesquisadores do CISGES/UNISA/CNPq em programas de pós-graduação strictu sensu – Mestrado e Doutorado em diferentes IES do Estado de São Paulo, assim como a produção de dissertações junto ao Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UNISA, a participação em eventos científicos nacionais e internacionais com apresentação de trabalhos, a publicações de livros, capítulos de livros e artigos científicos em periódicos qualificados dentro e fora do Brasil.

frenteCISGES

Em 2019, com a parceria na liderança do CISGES, o Grupo de Pesquisa ampliou suas dinâmicas e ao mesmo tempo consolidou duas grandes Linhas de Pesquisa: Linha 1 – História e Interdisciplinaridade e, Linha 2 – Comunicação, Identidade, Narrativas e Consumo. De cada linha emergem os Projetos de Pesquisa em curso. Cabe destacar que trata-se de um grupo aberto à participação de professores e alunos regularmente matriculados nos cursos de Graduação de todas as áreas do conhecimento e dos cursos de Pós-Graduação strictu sensu e lato sensu da UNISA, assim como aos egressos destes cursos e interessados na pesquisa científica e no desenvolvimento de estudos interdisciplinares.